centro humanitári 1140 x 500 px

Bruxelas: mais de 6.000 migrantes se beneficiaram do centro humanitário em  dois anos  Por Geferson Portinali 

Este centro humanitário reúne a Plataforma de Apoio ao Cidadão Refugiado, a Cruz Vermelha Belga, Médicos do Mundo e Médicos Sem Fronteiras, em parceria com a SOS Jeunes. 

Desde a abertura do centro humanitário em Bruxelas, em 2017, mais de 6.000 migrantes acessam seus serviços, cerca de 3.000 a cada ano, de acordo com uma revisão de seus dois primeiros anos de existência no mês passado.  

Presente pela primeira vez no Street Frontispiece, depois de um ano e meio na Estação Norte, o centro humanitário mudou-se para a Avenue du Port em 11 de junho. Reúne a Plataforma de Apoio ao Cidadão Refugiado, a Cruz Vermelha Belga, Médicos do Mundo e Médicos Sem Fronteiras, em parceria com o SOS Jeunes. 

Em média, 250 pessoas, das quais 15 a 20% são mulheres, são bem-vindas todos os dias. Os beneficiários são principalmente de nacionalidade eritreia (33,5%), sudanesa (24%) e etíope (13,3%). 

A cada mês, o serviço médico criado pela Médecins du Monde realiza uma média de 631 consultas, enquanto o serviço de saúde mental desenvolvido pela Médecins Sans Frontières fornece uma média de 207 atendimentos. O serviço de apoio sócio-administrativo da Plataforma do Cidadão realiza cerca de 180 atuações mensalmente e seu serviço de distribuição de roupas registra cerca de 1.955 entradas. 

Por meio do Serviço de Restauração de Links Familiares, a Cruz Vermelha Belga ofereceu 617 ligações gratuitas para seu país de origem todos os meses, para uma média de 80 pessoas durante as duas reuniões semanais, um serviço também disponível para pacientes hospitalizados. Além disso, 10 arquivos de pesquisa de família foram abertos entre janeiro e junho deste ano. 

As ONGs que atuam no momento na Bélgica, como fazem nos países em desenvolvimento, com intervenções da Região de Bruxelas e da Federação da Valônia-Bruxelas, pedem uma solução verdadeiramente estrutural. “Estamos falando de um grupo de 800 pessoas em Bruxelas, 1.000 na Bélgica”, disse David Leclercq, coordenador do centro. “Estamos longe de um ‘efeito pull‘, já que esse grupo é estável”, acrescenta. O arrendamento da Porte d’Ulysse, gerenciado pela Plataforma, terminou no final de outubro. Nenhuma solução ainda surgiu. 

La Maison de Nega Asbl ajuda na preparação de jantar para os refugiados  

No dia 26 de outubro, foi oferecido um jantar com menu galinhada brasileira para os refugiados no Centro de Refugiados da Guerra em Evere. Cerca de 380 pessoas se alimentaram saboreando o tradicional prato mineiro.   

La Maison de Nega Asbl mais uma vez recrutou voluntários para ajudar na preparação do jantar. Uma vez por mês, a Fundação da Nega é responsável da cozinha do maior centro de refugiados da Bélgica, que implica na recepção dos refugiados, preparação da comida, servir e limpeza. Cada vez mais a sociedade brasileira se envolve mais com a causa. No próximo mês serviremos strogonoff de frango. 

 

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Fechar Menu

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.