Bélgica-e-Portugal-desarticulam(1)(1)

Casamento de Fachada

Uma intervenção conjunta das autoridades portuguesas e belgas derrubou uma rede de casamentos de fachada na Bélgica, no dia 15 de janeiro. O grupo criminoso organizava casamentos de conveniência entre cidadãs portuguesas e homens oriundos, sobretudo, do Paquistão, para facilitar a imigração ilegal destes últimos.

A operação resultou na prisão, pela polícia da Bélgica, de 17 pessoas em um prédio próximo a Place Bara, em Anderlecht. Outras ações ocorreram em Ypres e em endereços diferentes na região de Bruxelas. A Revista AB Classificados fez contato com o comissário Chefe de Corps Adjoint, Marc Van de Walle, porta voz da Polícia Federal da região do Midi, e ele explicou que até o momento não têm outras informações sobre o caso porque esse processo está sendo investigado pela polícia de Courtrai, cidade que fica próxima à Tournai, fronteira com a França. Segundo o comissário, a única coisa que eles fizeram foi prender os criminosos na zona de Anderlecht. Ainda segundo Marc Van de Walle, o processo corre em sigilo na comarca de Courtrai.

Ação simultânea em Portugal

Outras 3 pessoas foram presas em Portugal, no dia da operação. Dois dias depois, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou a detenção da “última suspeita” naquele país. Além das detenções, 43 pessoas ilegais estão sob investigação. A polícia confiscou vários aparelhos celulares e computares. A operação contou com o apoio da Europol e da Eurojust.

O grupo desmantelado foi indiciado pelos crimes de “associação ao auxílio à imigração ilegal, imigração ilegal, falsificação de documentos, casamentos de conveniência e associação criminosa”, refere o SEF. O crime também é considerado tráfico de seres humanos pelo CAP – organização de proteção a vítimas de tráfico humano.

Como agia a rede

Os casamentos aconteciam em Portugal, e logo depois os casais viajavam para a Bélgica, onde as mulheres se empregavam em empresas de fachada, cujas ações compravam para permitir aos maridos a permanência na União Europeia, a obtenção de vistos de residência e de prestações sociais e de trabalho. De um modo geral, as mulheres regressavam para Portugal e só voltavam à Bélgica ocasionalmente, para controles policiais e das autoridades de imigração belgas.

O casamento era “vendido” por um valor entre 10 e 20 mil euros. A pena para este tipo de crime pode chegar a 15 anos em regime fechado.

Origem da investigação

A investigação começou em 2015, na Bélgica, quando a Polícia Federal daquele país detectou um aumento suspeito do número de certificados de casamento entre mulheres portuguesas e homens de origem paquistanesa, na zona de Ieper. O SEF juntou-se às averiguações no ano seguinte, depois de terem sido alertados pelos belgas para a existência das certidões de casamento emitidas em Portugal, que, segundo indica fonte destes serviços, “viriam a revelar-se falsas”.

Por Isa Colli

Compartilhar essa notícia

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

AÇOUGUE COSTELA

Fácil acesso. 

à 5 minutos da Gare du Midi, em Saint-Gilles.

Espaço moderno de 130 m2.

Estacionamento privado com 8 lugares.

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Fechar Menu

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.