Reparação-de-riscos-ocupacionais-1140-x-500 (1)

Reparação de riscos ocupacionais

 Acidentes de trabalho 

No século XIX, a reparação de danos resultantes de um acidente de trabalho foi considerado no contexto de responsabilidade civil. Cabia, portanto, à vítima provar em tribunal a existência do dano, a culpa do empregador e o nexo de causalidade entre a culpa e o dano. Poucos casos tiveram desfecho favorável. 

A indenização às vítimas de acidente de trabalho sempre foi uma demanda importante do movimento sindical. Representa o “tributo de carne e osso” que o trabalhador presta à prosperidade da empresa. Não é por acaso que foi na área dos acidentes de trabalho que foram tomadas as primeiras medidas vinculativas, em 1903. 

Os acidentes de trabalho são apenas parcialmente cobertos pela segurança social. O empregador é obrigado a fazer um seguro com uma empresa privada aprovada (conhecido como “seguro legal”). 

Fundo para Acidentes de Trabalho (FAT) intervém complementarmente. Acompanha o bom funcionamento do setor e funciona como fundo de garantia para as vítimas cujos empregadores não estão segurados. 

Quem são os trabalhadores afetados? 

A Lei de Compensação dos Trabalhadores aplica-se a todos os empregadores que contrataram um trabalhador em uma relação de subordinação. Também se aplica a alunos que trabalham nas férias (e que não estão sujeitos à Segurança Social) ou a trabalhadores ocasionais (menos de 2 horas por dia). Não diz respeito a funcionários públicos ou trabalhadores independentes. 

O empregador deve fazer um seguro de acidentes de trabalho com uma empresa credenciada. O empregador que não fez seguro é automaticamente filiado ao FAT. Em caso de acidente industrial, o FAT indeniza o trabalhador, mas reclama o valor pago ao empregador. Este último está sujeito a multas e penas de prisão. 

A lei de acidentes de trabalho é uma lei de ordem pública, não pode ser dispensada. 

O que é acidente de trabalho? 

A lei define como acidente de trabalho “todo acidente que ocorra ao trabalhador no decorrer e pelo fato da execução do contrato de trabalho e que produza lesão”. 

Portanto, três elementos são necessários: 

• um evento repentino, ou seja, um evento que pode ser identificado ao longo do tempo; 

• lesões físicas ou mentais e danos econômicos resultantes (custo dos cuidados, incapacidade para o trabalho); 

• O evento ocorre durante a execução do trabalho

Esta definição um tanto vaga foi esclarecida pela jurisprudência. Assim, foi esclarecido que o “evento repentino” não deve ser excepcional. 

Há “execução do trabalho” desde que se esteja sob a autoridade do empregador (o mesmo ocorre durante uma festa da empresa…). 

Não importa se há uma falha por parte do trabalhador. 

O que é um acidente no caminho para o trabalho? 

“Por trabalho entende-se o percurso normal entre a residência do trabalhador e o local de execução da obra”. 

Também aqui é a jurisprudência que definiu o que se deve entender por “viagem normal”, reconhecendo, por exemplo, os desvios para ir buscar uma criança à escola ou para realizar um serviço necessário no âmbito do caminho para o trabalho. 

O que recebe a vítima de acidente de trabalho? 

Compensação em caso de incapacidade para o trabalho 

Existem dois tipos de incapacidade para o trabalho: incapacidade temporária e incapacidade permanente. 

Incapacidade temporária total 

Dá direito a uma indenização que representa 90% da remuneração média diária. 

Incapacidade permanente 

Depois de um tempo, as consequências fisiológicas do acidente tendem a desaparecer ou se estabilizar. Esse momento é chamado de consolidação e a deficiência remanescente é chamada de deficiência permanente

A taxa de invalidez permanente é fixada pelo médico consultor da seguradora, tendo em consideração fatores como a idade da vítima, escolaridade, experiência profissional, mas tendo sempre em consideração as consequências na capacidade laboral da vítima. É apresentado um acordo à vítima que deverá então ser homologada pelo FAT. Em caso de desacordo ou se o FAT se negar a aprovar, a Justiça do Trabalho decidirá. 

O grau de invalidez permanente avaliado na consolidação pode ser revisto por um período de três anos a partir da data de consolidação. Falamos de um “período de revisão”. Durante este período de revisão, a vítima recebe um subsídio anual bruto correspondente a uma percentagem da remuneração base igual ao grau de incapacidade. 

No final do período de revisão, a situação está definitivamente fixada e o subsídio de invalidez passa a ser uma renda vitalícia. 

A vítima pode exigir que um terço do valor desta pensão lhe seja pago em capital se o grau de incapacidade permanente for superior a 19%. 

Reembolso de cuidados médicos 

O seguro legal reembolsa as despesas médicas e farmacêuticas decorrentes do sinistro com base nas taxas fixadas pelo INAMI. 

O seguro legal também cobre as próteses que se tornaram necessárias em decorrência do acidente. 

Reparos em caso de acidente fatal 

A lei prevê o pagamento das despesas de movimentação do corpo e do funeral. Concede também uma anuidade aos beneficiários (cônjuge, filhos, pais, etc.). 

O montante das várias indenizações depende da remuneração de base da vítima, ou seja, a remuneração a que o trabalhador teve direito durante o ano anterior ao sinistro de acordo com a função que exercia no dia do acidente. 

Doenças ocupacionais 

O que é uma doença ocupacional? 

É difícil definir uma doença profissional: o dano pode aparecer tardiamente, a origem da doença pode ser incerta, a ligação entre a doença e a profissão é difícil de provar. É por isso que o legislador optou por estabelecer uma lista de doenças ocupacionais. 

Para ter direito, basta provar que se encontra exposto ao risco profissional e que sofre de uma doença profissional incluída na lista

O sistema de listas tem a vantagem de estabelecer uma presunção irrefutável (que não pode ser anulada) do nexo de causalidade entre doença e ocupação. 

Mas essa lista diz respeito principalmente a doenças do passado ligadas à indústria pesada. Por isso, a par do sistema de listas, existe um sistema aberto que permite reparar uma doença que, embora não conste da lista, encontra a sua causa direta e decisiva na atividade profissional da vítima. Nesse sistema, cabe à vítima comprovar a relação de causa e efeito entre a exposição a riscos ocupacionais e a doença. 

O que recebe a vítima de uma doença profissional? 

A indenização pelas consequências de uma doença profissional é muito semelhante à indenização por acidentes de trabalho. 

Portanto, encontramos: 

• indenização pelas despesas de funeral e pelos beneficiários, em caso de morte da vítima; 

• compensação por incapacidade temporária (mas deve durar pelo menos 15 dias); 

• indenização por invalidez permanente; 

• reembolso de despesas médicas. 

A compensação é baseada no salário base, calculado da mesma forma que nos acidentes de trabalho. 

Existem, no entanto, algumas diferenças notáveis: 

• Ao contrário dos acidentes de trabalho indenizados por seguros privados, as doenças profissionais são integralmente cobertas pelo Fundo para as doenças profissionais. 

• A incapacidade para o trabalho pode ser permanente desde o início da compensação. 

• Em termos de despesas médicas, o FMP cobre apenas a parte não reembolsada pelo AMI (taxas de utilização). 

• A revisão é sempre possível. 

• Não há pagamento de capital. 

Prevenção de doenças ocupacionais 

O FMP intervém também a título preventivo, cobrindo os custos da vacinação ou compensando o trabalhador temporariamente ou definitivamente afastado do trabalho para não correr o risco de doença profissional. 

Nota: A separação da trabalhadora grávida passou a ser totalmente coberta pelo seguro de doença e invalidez. 

Fonte: site do governo belga vivreenbelgique

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Fechar Menu

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.