boss or Chief giving a bribe or illegal inoficcial salary in an envelope. cash in hand.  Boss showing silence sign. Business modern background.

Riscos do trabalho clandestino

Antes de mais nada, vale distinguir o trabalho clandestino do trabalho informal. Trabalhar clandestinamente é trabalhar sem direito de estada na Bélgica e sem autorização para trabalhar. É o que ocorre quando o patrão emprega um trabalhador estrangeiro que não tem direito de estada na Bélgica ou quando um estrangeiro perde o direito de estada, mas continua a trabalhar. 

O trabalho informal é o trabalho não declarado pelo patrão às institutições de Seguridade Social. O trabalho informal diz respeito aos belgas e aos estrangeiros, ao contrário do trabalho clandestino que é próprio ao estrangeiro. Em geral, o patrão que emprega um trabalhador clandestino não o declara. O trabalho clandestino é portanto, na maior parte das vezes, um trabalho informal. Pode ocorrer também que o trabalhador estrangeiro declarado perca o seu direito de estada. Se ele continuar a trabalhar, será um trabalhador clandestino declarado. 

O trabalhador clandestino apanhado em flagrante corre o risco de receber uma ordem de sair do território e de ser expulso da Bélgica, passando eventualmente por alguns dias de detenção administrativa. Na qualidade de trabalhador informal, também corre o risco de receber uma multa que pode ir até 800 €. A multa só se aplica se o trabalhador estiver ciente de que não é declarado. A infração deve ser devidamente registrada num boletim de ocorrência, pouco importando que o trabalhador esteja legalmente no país ou não. 

O trabalhador cladestino tem maior dificuldade de fazer valer os seus direitos, mas o patrão é obrigado a respeitar a lei belga, ou seja, teoricamente o trabalhador clandestino tem os seguintes direitos: 

  • indenização em caso de acidente de trabalho;
  • salário mínimo legal (10,03€/h ou 1.593,81 € brutos/mês);
  • férias pagas;
  • respeito dos horários de trabalho;
  • etc.

Na prática, para fazer valer os seus direitos, o trabalhador clandestino deve denunciar a situação à Inspeção das Leis Sociais. A denúncia poderá dar lugar a uma inspeção no local de trabalho. 

O trabalhador clandestino informal que toma a iniciativa de denunciar a situação ao Controle das Leis Sociais não será multado pelo trabalho informal nem expulso. Porém, se ele é encontrado no local de trabalho por ocasião de uma inspeção de rotina, ele corre o risco de receber uma ordem de sair do território e uma  multa. 

O trabalhador acompanhado pela Myria (Centro Federal Migração) ou Fairwork Belgium (antiga ORCA) recebe uma ordem de sair do território de 30 dias. Sem acompanhamento, a expulsão pode ocorrer mais rapidamente. Em todos os casos, a denúncia porá fim ao trabalho. 

Antes de denunciar, o trabalhador deve reunir o máximo de provas do trabalho fornecido (testemunhas, fotos, crachás, tabelas de horário, gravações de conversas ou troca de torpedos ou WhatsApp com o patrão, etc.).  

Se o patrão explorou o trabalhador de forma abusiva, trata-se de crime de tráfico de seres humanos. O trabalhador vítima é protegido durante o inquérito e pode obter um direito de estada se ele cooperar com as autoridades e se o inquérito levar à condenação do patrão num processo penal. 

Se o inquérito confirmar que o patrão utilizou mão-de-obra clandestina, o estrangeiro poderá beneficiar da seguridade social belga pelos dias trabalhados (pensão de aposentadoria, auxílio doença, abono de família). O estrangeiro tem também direito a três meses de salário mínimo, a menos que o patrão prove que ele trabalhou menos de três meses. Porém, o trabalhador sem direito de estada não terá direito ao salário desemprego (chômage). 

Na prática, o trabalhador clandestino obtém muito dificilmente a indenização de ruptura do contrato de trabalho. Mas, en princípio, o patrão deve respeitar o procedimento de despedimento se sabia que o trabalhador estava irregularmente no país. Como o trabalhador clandestino não pode cumprir o aviso prévio, a indemnização de ruptura é de direito. O trabalhador poderá obter tal indenização perante o Tribunal do Trabalho. 

Em contrapartida, o trabalhador que não avisa o patrão que perdeu o direito de estada não terá direito à indenização de ruptura do contrato de trabalho, pois esconder tal situação ao patrão configura falta grave. 

 

Na prática, as denúncias podem ser feitas ao Myria (https://www.myria.be/fr), a Fairwork Belgium (http://www.orcasite.be/?id=211), a um sindicato ou diretamente ao Controle das Leis Sociais (cls@emploi.belgique.be). 

Dra. Cecilia Ronsse Nussenzveig 

AÇOUGUE COSTELA

Fácil acesso. 

à 5 minutos da Gare du Midi, em Saint-Gilles.

Espaço moderno de 130 m2.

Estacionamento privado com 8 lugares.

  • Top posts

Compartilhe esta notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Fechar Menu

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.